O POETA DE CORDEL

Cinema / Pré-estreia / O POETA DE CORDEL

“Se alguém quiser publicar deve constar o nome do AUTOR Vicente Morelatto”. Assim está impresso na contra-capa do folheto “História do Incêndio da Igreja de Chapecó e o Linchamento dos Quatro Presos”, escrito entre 1950 e 1953. Utilizando um gênero literário popular, praticamente inexistente no oeste de Santa Catarina, o homem que ousou destrinchar essa história em versos de cordel morreu no mesmo ano em que os exemplares da obra começaramm a circular. Nem autor nem obra tornaram-se conhecidos, pelo contrário, ambos foram apagados da história oficial, assim como o fato narrado.

Vicente Morelatto era professor no interior de Chapecó. Um homem que se destacava pelo perfil de liderança. “Resolvia os problemas de todo mundo”, assim é lembrado pelos mais antigos moradores de Linha Bento, hoje pertencente ao município de Cordilheira Alta. Morreu em março de 1954. O professor era ainda bem moço, tinha 26 anos de idade.

Passados mais de 40 anos de sua morte, na década de 90, o diretor de teatro Jovani Santos teve acesso a um dos exemplares do folheto escrito por Morelatto, guardado a sete chaves por um antigo morador. Essa descoberta resultou em uma pesquisa e publicação pela então editora Giffos: o livro “O poeta da chacina”(1999). O acesso à obra de Jovani Santos e a posterior entrevista com a viúva de Morelatto, Dona Beatriz, em 2006, pelos diretores Casemiro Vitorino e Ilka Goldschmidt para a produção do projeto de documentário “O Linchamento” para o DOCTV III – Programa de Fomento à Produção e Teledifusão do Documentário Brasileiro (MINC e TVE), foram as sementes que germinaram a ideia e o projeto que hoje resulta no documentário “O Poeta de Cordel”.

O filme

O curta-metragem “O Poeta de Cordel” que terá sua pré-estreia em Chapecó no dia 21 de dezembro às 19h30 no Cine Teatro do SESC, é um documentário que busca fragmentos da história de Vicente Morelatto e da sua obra literária. O filme foi produzido pela Margot Filmes a partir do Prêmio Edital de Fomento e Circulação das Linguagens Artísticas de Chapecó.

A poesia de cordel é uma manifestação típica da cultura nordestina (de origem lusitana) e não tem relação direta com a cultura da região oeste de Santa Catarina. Ao estudar o tema, Jovani Santos (1999) constatou que as sextilhas predominam na literatura de cordel nordestina e que muitos dos folhetos escritos na região sul fogem do cordel por serem escritos em quadras. No entanto, a obra de Morelatto é toda em sextilha, por isso um marco também na história da literatura catarinense, embora, por tratar de um tema considerado tabu durante muitos anos, tenha sido apagada.

O folheto “História do Incêndio da Igreja de Chapecó e o Linchamento dos Quatro Presos” revelava detalhes da história que marcou para sempre a cidade de Chapecó. Morelatto levou três anos para escrever os 120 versos que compõem o cordel, conforme consta na capa da obra original. Na época, entre 1953 e 1954, o professor entregou os originais à uma gráfica local para a impressão de 400 exemplares. Destes, menos de 100 chegaram às mãos da população. Segundo relatos de moradores, os demais foram confiscados e queimados.

Com 30 minutos de duração o filme foi construído alternando os modos narrativos. São três momentos, três “atos”: a busca, a gráfica, a praça. Há uma estrutura de busca quando o filho de Vicente Morelatto, Getúlio, 67 anos, e a sua filha, Luciane, neta do poeta, rompem o silêncio e buscam saber o que aconteceu com Vicente, como e porque ele morreu tão jovem, deixando o filho mais velho com 03 anos de idade e outros dois irmãos, sendo a mais nova ainda na barriga da mãe. Há surpresas, revelações e uma imensa saudade daquilo que não viveram.

Há um dispositivo na narrativa que torna-se fundamental no sentido de trazer literalmente à tona a obra de Vicente Morelatto. O folheto é reimpresso, em tipografia, tal qual o poeta imprimiu, os mesmos tipos, os 120 versos iguais ao original, com os erros de impressão e gramática da época. O trabalho de pesquisa e edição foi realizado pela artista e editora Gabi Bresola em uma gráfica de Chapecó.

Por fim, o cordel vai à Praça de Chapecó, em frente à Igreja Matriz, ponto central da história narrada – ali a Igreja fora queimada e ali os corpos dos quatro acusados foram incendiados. Neste lugar, o grupo Vertigem de Ações Poéticas faz a leitura dos versos e espalha aos quatro ventos a história que por tanto tempo se quis apagar.

Toda essa história tem uma trilha sonora que parece ter sido feita para o filme. Sinal Fechado é a música que fecha, e/ou abre, esta narrativa. A música foi cedida para o Filme pela banda Sopro Difuso, de Curitiba (PR).

Serviço:
Pré-estreia filme “O Poeta de Cordel”
Data: 21/12/2019
Horário: 19h30
Local: Cine Teatro do SESC Chapecó
Entrada: Gratuita, aberto ao público, com retirada de ingresso a partir das 19h.

Sinopse do filme:
O cordel ecoa na praça os versos do poeta que foram apagados. Em 1954, Vicente Morelatto denunciou em versos de cordel a história do incêndio da Igreja de Chapecó e o linchamento dos quatro presos. Um tempo que muitos querem esquecer, mas que o tempo não esquece.

Ficha técnica:
Empresa Produtora
Margot Filmes

Direção, Roteiro e Montagem
Cassemiro Vitorino
Ilka Goldschmidt

Produção
Sabrina Zimermann

Projeto Gráfico
Miríade Edições
Editora
Gabi Bresola

Direção de Fotografia
Cassemiro Vitorino
José Sergio Boita

Imagens Adicionais Praça
Roberto Panarotto

Som Direto
Eduardo Florêncio

Som Direto Adicional
Kelvin Cigognini

Técnico de Som (Praça)
Leonardo Zancheta

Desenho de Som
Juan Quintáns

Colorista
Fabiane Bardemaker

Fotografia Still
Louis Radavelli

Produção Executiva
Cassemiro Vitorino

Personagens
Getúlio Domingos Morelatto
Luciane Morelatto
Nauriane Di Domenico
Octavio Carminatti
Pedro Misturini
Jurema Pompermaier
Valdomiro Oliveira Da Silva
Ednilson Cesar Neckel (Pity)
Gabi Bresola

Participação Especial
Grupo Vertigem de Ações Poéticas:
Liza Bueno (Baixo)
Fabiane Biazus (Leitura)
Herman Gomes Silvani (Leitura)
Tatiana De Avila Zawadski (Produção)
Valdemir Antonio Oliveira (Leitura)

Música
Sinal fechado
Especialmente cedida pela
Banda Sopro Difuso
Composição
Jacir Antunes

*Cartaz e Fotos divulgação do filme no anexo.

Sobre a Margof Filmes:
A Margot Filmes é especializada na produção de conteúdo audiovisual. Criada em 2006, a produtora viabiliza seus projetos autorais através de patrocínios, editais e leis de incentivo. Durante todos esses anos finalizou documentários de média e longas-metragens, sendo o Salame seu primeiro curta.

Filmografia Margot Filmes:

Celibato no Campo (52’) 2010.
* Projeto premiado pelo Edital Catarinense de Cinema 2008;
* Selecionado no 2º Concurso de Documentários da TV Câmara e exibido na TV Câmara de 2012 a 2014;
* Licenciado para CineBrasilTV de 2015 a 2020;
* Selecionado no Concurso TVAL de Audiovisuais Catarinenses 2019

Kiki – O Ritual da Resistência Kaingang (34’) 2014.
* Licenciado para CineBrasilTV de 2015 a 2019.

O Goio-En transbordou (70’) 2014.
* O projeto de distribuição premiado no Edital Elisabete Anderle 2015. O filme foi viabilizado através da captação de recursos via Lei de Incentivo Cultural – Lei Rouanet.

Dom Quixote das Artes (97’) 2017.
*Prêmio Edital das Linguagens Artísticas de Chapecó 2015. O filme foi viabilizado através da captação de recursos via Lei de Incentivo Cultural – Lei Rouanet.
* Selecionado no 2˚FACINE 2018
* Selecionado na V Mostra Cine Matilha 2019
* Selecionado no Concurso TVAL de Audiovisuais Catarinenses 2019

O Salame vai à feira (25’) 2019.
* Prêmio Edital das Linguagens Artísticas de Chapecó 2016.
* Selecionado no 8th Bangalore Short Film Festival -19 – Índia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunistas

Informativo Cultural

Agenda

Devido a Lei de Quarentena da COVID-19, estaremos postando a agenda cultural de SC de 2020 após restabelecimento do controle da doença.

Facebook

Intervalo Cultural

Parceiros