Coronavírus: 81 jogadores do Catarinense ficarão sem contrato no fim de abril

A paralisação do Campeonato Catarinense para conter o avanço da pandemia do coronavírus afeta diretamente o planejamento dos clubes, principalmente pela indefinição do retorno do futebol em Santa Catarina. Com auxílio da Rede do Futebol, foi levantado  que 80 jogadores ficarão sem contrato no fim de abril, quando estava previsto o encerramento do estadual.

Concórdia e Juventus serão os times mais afetados (quase todo o elenco), enquanto o Avaí é o menos impactado. O diferença esses clubes é o calendário anual, uma vez que os dois primeiros param as atividades e retomam apenas no segundo semestre com a Copa Santa Catarina. O Leão da Ilha, por sua vez, segue direto com a participação na Série B do Brasileiro.

Outros clubes ainda terão mais baixas, mas em maio. São os casos da Chapecoense, que não terá mais vínculo com o atacante Paulinho Moccelin, pois se encerra o empréstimo junto ao Londrina. O Brusque com o goleiro Zé Carlos e o lateral-esquerdo Airton, e o Criciúma ficará sem contrato com o lateral-esquerdo Kaike.

Gerente do Departamento de Registros e Transferências da Federação Catarinense de Futebol (FCF), Claudia Teixeira explica que os clubes podem ampliar o vínculo dos atletas de acordo com a necessidade.

– Não existe uma base certa de vigência para atletas e independe a competição. O clube muitas vezes contrata o atleta por período mínimo que é de 90 dias e depois vê se realmente ele quer permanecer adicionando aditivos. Isso quer dizer, aumentando as vigências dos contratos. Pode ter aditivos até completar cinco anos, que é o máximo da vigência permitida – disse a gerente.

.

Fonte Globo Esporte SC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunistas

Informativo Cultural

Agenda

Devido a Lei de Quarentena da COVID-19, estaremos postando a agenda cultural de SC de 2020 após restabelecimento do controle da doença.

Facebook

Intervalo Cultural

Parceiros